Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Ecos’

Mayumi era o nome, imagino que ainda o seja, da vizinha que eu tinha, em 1985, na Aclimação. Não sei o que é do seu destino, e nem ela deverá saber do meu, posto que nenhum não tenho. Eu devia ter o quê, uns dez, doze anos? É possível. Ela tinha um sorriso daqueles lindos, e cabelos escorridos e bem pretos de índia. Tinha um pequinês maldito que me mordeu três vezes, e era mais feio que o capeta do escadão esburacado do beco (tinha um beco com um escadão no fim que ligava a rua Raimundo de Brito e a av. Aclimação, e era um lugar usado pra despachos, queimação de fumo, paredão alternativo para ‘cositas’, e claro, batida policial quando o tédio batia na ‘força pública’). A história é longa assim como todas as histórias das lembranças lusco-fusco como a minha. Agora só me interessa a visita de Mayumi, a visita da sua lembrança: os ecos de Mayumi. E a última imagem que tenho dela são de gritos e choro humilhado, os mesmos que vi, sem entender e paralisado, pela fresta da janela da sua casa, enquanto apanhava de tamanco da própria mãe, e sua irmã a segurava. Mayumi era bem mais velha do que eu, e já contava seus dezoito ou vinte anos. O que fez Mayumi despertar a ira em sua casa deve ter sido obra do desejo, realizado ou frustrado, que redemunha qualquer vida a qualquer tempo. Saber as razões da surra de Mayumi, passados mais de vinte anos, já não me toca. Mas me inquieta o porquê dessa lembrança ter batido à porta, a minha, e ter grafitado o nome de Mayumi.

Anúncios

Read Full Post »

De rezongos en el espejo atravesado

habitan trenzadas confesiones

mientras las sombras de un abrazo

persiguen

simples y evocadas mudas manos:

palabra anterior al verbo

fiesta de remolinos

existencia por el gesto

En rezongos en el espejo atravesado

mi sien olvida la enfermedad

porque arrancar raíces no es cosa rara

y saben herir por vocación

los dedos-anzuelos con sus uñas

a causa de instintos acumulados

y sus ecos de ruinas

para llegar a tu boca

como el lenguaje

tu lengua de atrapamoscas

se afila en la humedad

y orgullosa exhibe sus anillos

en ese pasto para la vida

(singular cadena)

de lombrices, víboras

tal su boscaje

útero de mejillas

Con pasamanos de cuchillos ciegos

y multifacetados

hincados granos de arena

inauguran la visión

y una cáustica gira alcanza la noche

sobre tu silueta

con ironía condimentada

para el serenoctívago

desanclar las eviternas tramas

de sus versos

Read Full Post »